A Banda do Américo

Continuamente, não se fala em banda

sem dizer logo que ela vai passar,

pobre lugar-comum com que se manda

dizer que a banda nunca tem lugar.

 

de fato, quantas delas em ciranda

se foram sem lembrança nos deixar...

Umas cuja memória o tempo abranda,

outras que a ingratidão fez se calar.

 

No entanto, se por tolo pensamento,

alguém disser que toda banda passa,

como se fosse regra o esquecimento,

 

ao ver a nossa, não dirá de novo,

pois a do Américo estará na praça,

que é eternamente o coração de povo.

 

(Publicado em Poemas do Vale, 1993)